Turistas são orientados a denunciar casos de trabalho infantil na alta temporada em Santa Catarina

A mensagem “Férias de verão sem trabalho infantil” aparece em painéis eletrônicos ao longo da BR-101

Florianópolis - Os turistas que chegam a Santa Catarina para as férias de verão por via terrestre, são orientados a denunciar os flagrantes de trabalho infantil e a exploração sexual contra crianças e adolescentes na alta temporada.  Ao longo da BR-101 a mensagem “Férias de verão sem trabalho infantil. Polícia Rodoviária Federal, Arteris e Ministério Público do Trabalho — Disque 100”, faz o apelo.

Imprimir

Acordo judicial entre MPT e Cooperativa Aurora garante pagamento de horas extras a empregados e ex-empregados da unidade de Chapecó

Chapecó - Cerca de 2.500 empregados e ex-empregados da Cooperativa Central Aurora Alimentos de Chapecó devem procurar a Cooperativa para receber horas extras realizadas entre 01/05/2008 a 13/04/2011, referente aos minutos a mais trabalhados antes e depois da jornada. O acordo pactuado pela Cooperativa com o Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina (MPT-SC) foi homologado judicialmente na Ação Civil Pública nº 0003117-65.2010.5.12.0009.

Imprimir

Pesquisa Ibope aponta que Lei de Cotas ajuda as pessoas com deficiência a ingressar e evoluir no mercado de trabalho

Encomendado pelo MPT em São Paulo, levantamento feito entre PcDs mostrou que 89% dos entrevistados consideram que a Lei de Cotas as ajuda em diversos aspectos relacionados ao mercado de trabalho


São Paulo - Uma pesquisa encomendada em 2018 pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP) ao Ibope entre pessoas com deficiência (PcD) revelou que 89% dos entrevistados consideram que a Lei de Cotas as ajuda em diversos aspectos relacionados ao mercado de trabalho. Para 86% dos entrevistados, a lei de cotas promove o aumento da visibilidade social e 82% creditam a ela o aumento do poder aquisitivo das PcDs.

Imprimir

Fóruns de combate aos impactos dos agrotóxicos emitem nota de repúdio neste 3 de dezembro

No Dia Mundial de Não ao Uso de Agrotóxicos, entidades repudiam retrocesso regulatório que liberou mais de 450 novos tipos no Brasil, em 2019


Brasília – Os Fóruns Nacional e Estaduais de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, dos quais o Ministério Público do Trabalho faz parte, emitiram hoje (3) uma nota de repúdio ao retrocesso regulatório que permitiu a liberação de mais de 450 novos tipos de agrotóxicos no Brasil, somente em 2019. A nota foi emitida em alusão ao Dia Mundial de Não ao Uso de Agrotóxicos, 3 de dezembro.

Imprimir